9.6.04

Anjo mau quer entrar no Carro de Apolo

Anjo mau que pretendes?
Que caminhos nos queres mostrar?

Dia de Festa

O amor celebra-se com um click! Com aquele olhar fixo sem medida e com vontade de afundar no seio dos teus desejos!
O amor celebra-se com um copo de vinho de tinto, uma noite de luar e entregues a uma brisa marinha.
O amor conjuga-se com o verbo cumplicidade, onde não há necessidade de tons musicais ou coloridos.
O amor conjuga-se contigo sem ter de precisar, ser ou fazer!
O amor sou eu, contigo, com o outro, os outros e ainda aqueles outros!
O amor sou eu, porque sim!

8.6.04

... para repetir, por favor!

Foi dos momentos mais fascinantes da minha vida, de interesse obrigatório na enciclopédia do desejo! Não sei se tem a ver com amor, mas muito sinceramente isso não me interessa, é desejo concerteza!... e isso é tão incrível! Parece cena de romance rasca mas, quero que se repita, repita e repita... Uma vontade incontrolável de te tocar, quando discretamente roçamos as pernas um no outro e com os olhares aparentemente atentos nos outros passageiros para que não percebam nada... Tão longe do poder e tão perto do desejo! Deve ser aquele fascínio do proibido que me faz ficar louco... com vontade de te abraçar, te beijar e possuir! E eu sei que tu também! E isso é tão fantástico! Apesar de apenas mantermos o roço das pernas... acho que não queríamos que a viagem acabasse... combinamos um beijo, acertamos um abraço e concordei com o mais logo! Estupendo! ... praia, sexo, ar livre, dunas, proibido, mar, desejo, mãos, peito, sexo, rabo, toque, tacto, cheiro, beijo, calor, peito, salgado, hora, atenção, mãos, peito, sexo, praia, cheiro de mar, calor, jogo, desejo, pôr do sol, outras pessoas, outras pessoas, outras pessoas, roçar, desejar, sozinhos, dunas, peito, rabo, sexo, calor, desejo, beijo, beijo, beijo, não podemos, não deviamos, peito, mãos, pernas, sexo... vamos embora!

2.6.04

"No bairro do Amor"

"No bairro do amor a vida é um carrossel
Onde há sempre lugar para mais alguém
O bairro do amor foi feito a lápis de cor
Por gente que sofreu por não ter ninguém

No bairro do amor o tempo morre devagar
Num cachimbo a rodar de mão em mão
No bairro do amor há quem pergunte a sorrir:
Será que ainda cá estamos no fim do verão?

He , pá , deixa-me abrir contigo
Desabafar contigo
Falar-te da minha solidão
Ah, é bom sorrir um pouco
Descontrair um pouco
Eu sei que tu compreendes bem

No bairro do amor a vida corre sempre igual
De café em café , de bar em bar
No bairro do amor o sol parece maior
E há ondas de ternura em cada olhar

O bairro do amor é uma zona marginal
Onde não há prisões nem hospitais
No bairro do amor cada um tem que tratar
Das suas nódoas negras sentimentais

Eh , pá , deixa-me abrir contigo
Desabafar contigo
Falar-te da minha solidão
Ah, é bom sorrir um pouco
Descontrair um pouco
Eu sei que tu compreendes bem"

1.6.04

"Ainda nao descobri qual é a origem do amor."

"Escondeste o amor na raiz quadrada
Dos segredos que derretem no medo.
Meu e da geometria da fiada
Gente remota que afasta o azedo.
Que em ti encosta. E sua retirada,
Estratégica demais p’ra do degredo
Te resgatarmos numa vida nova,
Ou iniciarmos seguinte prova.


albertovelasquez.blogspot.com"

Ventos de bonança ou tempestade?

Quem conduz este carro, afinal? Porque vamos por estes caminhos difíceis cuja vista não tem interesse algum? Não poderíamos ir por uma autoestrada? ou à beira-mar?